Insights

// Escrito por Lucas Teles

Quebrando o status quo: Criatividade ou conformismo.

Quebrando o status quo Criatividade ou conformismo.

De acordo com a famosa pirâmide de Maslow, o ápice de felicidade de uma pessoa é na autorrealização. E nesse caminho, romper com o status quo é muito mais importante do que você imagina. Anos atrás, psicólogos descobriram que existem dois caminhos para tal: conformismo ou originalidade. 

Originalidade nada mais é do que o ser criativo. Desafiar o status quo, defender novas ideias em busca de algo melhor. Enquanto conformismo é seguir o efeito de manada, fazer mais do mesmo e manter o status quo.

De certa forma, a criatividade é a imaginação colocada em prática, e o ser criativo vive isso, coloca ideias em prática para testá-las com intuito de melhorar algum aspecto da vida dela, seja pessoal ou profissional. Pessoas realizadas (mais felizes) tornam sua visão em realidade, nas mais diversas áreas de atuação. O criativo é um inconformista.

Ser conformista é um mal para nossa mente que não nos permite ser feliz e reduz nossa motivação e resultados. Caímos em um limbo mental onde a criatividade é nula e apenas seguimos com nossas rotinas diárias.

Do outro lado, ser criativo é um estímulo para nós. E como resultado de buscar melhorar o ambiente ao nosso redor, somos mais felizes e motivados.

Firefox e Chrome VS Internet Explorer e Safari

Para provar isso que comentei, o economista Michael Housman realizou um estudo com mais de 30.000 funcionários de call centers.

Munido de dados desses colaboradores, ele percebeu que usuários do Chrome ou Firefox ficavam 15% a mais de tempo no emprego, faltavam 19% a menos, eram mais felizes, fechavam mais vendas em menos tempo e tinham índices de satisfação do cliente 25% maior do que o grupo que utilizava Internet Explorer ou Safari.

Não é por conta dos navegadores que eles são mais bem sucedidos e felizes, mas precisamos entender o hábito por trás do motivo da escolha de navegador.

O grupo que usava Chrome ou Firefox não era mais novo, nem tinham mais conhecimento em tecnologias que o outro grupo, não havia diferenciação técnica entre os grupos. A diferença foi como eles conseguiram esses navegadores.

O Internet Explorer e o Safari são navegadores padrões do Windows e da Mac, respectivamente. Quase 2/3 dos profissionais usavam o navegador padrão, sem buscar saber se havia um navegador melhor do que aquele.

Na contramão, para ter o Firefox ou o Chrome, você precisava procurar o navegador e baixá-lo. Assim, mesmo uma pequena atitude de rejeição ao status quo, gera um resultado enorme.

Quebrando o status quo: Criatividade ou conformismo.

O ser humano normaliza o status quo como correto, como o melhor caminho ou o mais fácil. Encontrar justificativas para as coisas sempre serem do jeito que foram é um analgésico emocional.

O ser humano criativo rejeita o convencional e investiga melhores opções. Ou seja, o inconformista é curioso.

“Por que as coisas são dessa forma?”

“Não há uma forma melhor de fazer isso?”

“E se fizermos isso?”

“O que acontece se nós mudarmos isso?”

Faça mais perguntas, questione o convencional, mude ativamente e positivamente os ambientes em que você vive.

Eu te convido a ser um inconformista, tomar atitudes para mudar o seu mundo, ser mais feliz, e depois mudar o nosso.


Foto por Moritz Mentges em Unsplash

Curtiu? Mande o artigo para seus amigos!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter

Você também pode gostar